Segunda-Feira 24/09/2018 17:09

O ódio como arma de campanha

Brasil - Ponto de Vista - Eleições 2018

 

(Foto: Istoé - Candidato Bolsonaro, no segundo dia da internação em São Paulo, posou gesticulando com os dedos em formato de arma) 

* Por Carlos José Marques

 

Quais os limites da disputa na base do ódio na campanha eleitoral? Até onde o discurso agressivo, incitando a violência, tem lastro para angariar votos e quando ele passa a provocar rejeições em escala, prejudicando o próprio candidato?

Nos últimos dias e meses, em virtude da absurda escalada de confrontos que culminou no atentado bárbaro ao presidenciável Jair Bolsonaro, esse temas ganharam evidência e começaram a se refletir claramente nas pesquisas que vieram a seguir.

Os extremos do lulopetismo do quebra-quebra e do bolsonarismo do prendo e arrebento passaram a exibir altíssimos índices de rejeição. Em parte, não há como não atribuir os recentes episódios de intolerância à retórica belicosa que certos postulantes ao Planalto adotaram como fórmula para se projetar.

O próprio esfaqueado Bolsonaro tratou em suas declarações de promover a beligerância. Falou em “fuzilar a petralhada”, levantou a bandeira do “invadiu, é chumbo” e, ainda se recuperando no leito hospitalar, posou gesticulando com os dedos em formato de arma. Seu vice, o general Mourão, não deixou por menos. Logo após o ataque, desafiou: “se querem usar a violência, os profissionais da violência somos nós”.

Foi Lula quem tempos atrás estabeleceu esse tom do “nós contra eles” e mergulhou o País em um turbilhão de radicalismo. As cenas criminosas de um ônibus da comitiva petista sendo alvejado por bala e da facada no capitão reformado mostram como o transbordamento das emoções foi além dos limites em um País historicamente reconhecido por sua natureza cordata.

Nessa corrida presidencial, que se desenvolve diferente de qualquer outra, o ambiente está eivado de animosidade. Ciro Gomes, que se esforça agora para moderar a linguagem — embora de vez em quando não resista e libere a sua conhecida verve coronelista — tentou retrucar a provocação do vice adversário e sapecou: “vem, general, seu jumento de carga”. Nas palavras como também nas atitudes são vários os presidenciáveis propagadores da mensagem do ódio em um ambiente de ebulição propício à explosão de atos de delinquentes como o que agiu na semana passada em Juiz de Fora.

Certamente poucas vezes se teve notícia por essas bandas de uma disputa majoritária marcada por tanto extremismo. O que carrega em si uma série de consequências temerárias para um eventual futuro governo fruto dessa pregação. Como conciliar Congresso, Judiciário e Executivo se a tática do mandatário vir a ser a do radicalismo puro e simples?

Nesse ano do aniversário de três décadas da Constituição cidadã, que trouxe desenvolvimento e liberdade social aos brasileiros, não se pode aceitar o retrocesso. O País está flertando com o imponderável, permeável a desatinos e enfrentando riscos concretos de desestabilização caso a onda não seja contida. Os eleitores precisam resistir à ameaça que está posta com um voto consciente, pela democracia, antes que seja tarde.

É necessário dar um basta à exacerbação, exigir a volta do diálogo civilizatório, do respeito ao contraditório e às divergências. Vários dos candidatos, mais comprometidos com a pregação da responsabilidade institucional e do equilíbrio de propostas, apelaram à serenidade de ânimos. Calibraram o tom dos programas. Alguns de maneira disfarçada, buscando esconder reais convicções, outros efetivamente convictos.

O tucano Geraldo Alckmin, que hegemonicamente representa o centro ideológico e defende reformas — a maioria delas inevitáveis, sem dúvida —, parece ter acertado com a mensagem do “não é na bala, nem na faca”, fazendo frente à tese de muitos adversários que querem armar a população. De uma maneira ou de outra, está em curso um duro teste para medir a maturidade da democracia brasileira.

Resvalar para uma Venezuela caótica ou para uma ditadura militar autoritária e sexista ainda permanece como alternativa concreta no horizonte, o que seria um triste fim. É preciso o engajamento dos brasileiros na pacificação. Que todos reflitam sobre os perigos da via contrária. Qualquer pendor de inspiração autoritária ou anárquica colocará o Brasil numa era de incertezas e de profunda turbulência. Pelo bem geral da Nação, é melhor evitar.

 

(*) Carlos José Marques é diretor editorial da Editora Três

IstoÉ

Compartilhar faz bem!

Eventos

  • 1º Encontro dos Amigos da Empaer

    1º Encontro dos Amigos da Empaer

    Cidade:Dourados
    Data:29/07/2017
    Local:Restaurante / Espaço Guarujá

  • Caravana da Saúde em Dourados II

    Caravana da Saúde em Dourados II

    Cidade:Dourados
    Data:16/04/2016
    Local:Complexo Esportivo Jorge Antonio Salomão

Veja Mais Eventos

Balcão de Oportunidades / Empregos(Utilidade Pública)

Não é cadastrado ainda? Clique aqui

Veja todas as ofertas de vagas

Cotações

Moeda Taxa R$
Dólar 4,092
Euro 4,808
Franco suíço 4,245
Yuan 0,595
Iene 0,036
Peso arg. 0,110

Atualizado

Universitários

Serviço Gratuito Classificados - Anúnicios para Universitários

Tempo / Clima

Newsletter
Receba nossa Newsletter

Classificados

Gostaria de anunciar conosco? Clique aqui e cadastre-se gratuitamente.

  • Anúncios

Direitos do Cidadão

Escritório Baraúna-Mangeon Faça sua pergunta
  • Tem uma senhora dai de Campo Grande que é uma estelionatá...Tem uma senhora dai de Campo Grande que é uma estelionatária aqui em Cuiabá, levou muita grana nossa, e uma eco esporte. Ela se chama LEUNIR..., como faço pra denunciar ela aí nos jornais?Resp.
  • Boa tarde, minha sogra teve cancer nos seios e retirou um...Boa tarde, minha sogra teve cancer nos seios e retirou um eo outro parcial ja faz um bom tempo que nao trabalha e estava recebendo auxilio doença mas foi cancelada e ja passou por duas pericias e nao consegui mais , sera que tem como ela aposentar?Resp.
  • quanto porcento e o desconto para produtor rural hoje out...quanto porcento e o desconto para produtor rural hoje outbro de 2013Resp.
  • meu irmao cumpriu dois ano e meio de pena foi asolvido 7 ...meu irmao cumpriu dois ano e meio de pena foi asolvido 7 a zero caso ele tenha alguma condenacao esse 2 anos e meio pode ser descontadoResp.
  • gostaria de saber se ae em muno novo vai ter curso pilota...gostaria de saber se ae em muno novo vai ter curso pilotar maqunas agricolas?? se tiver como fasso pra me escreverResp.
+ Perguntas

Espaço do Leitor

Envie sua mensagem:
Sugestões, críticas, opinião.
  • iraci cesario da rocha rocha

    Procuro minha irmã Creusa Maria Cesario ela era de Dracena SP , minha mãe esta idosa 79 anos precisa ver ela se alguem souber nos avisa ..contato 018 996944659 falar com Iraci ..minha irmã foi vista nessa região

  • iraci cesario da rocha rocha

    Boa noite , estou a procura da minha irmã Creusa Maria Cesario desapareceu ha 30 anos , preciso encontrar porque minha mãe esta com 79 anos e quer ver , ela foi vista ai por essa região , quem souber nos avise moramos aqui em Dracena SP

  • maria de lourdes medeiros bruno

    Parabéns, pelo espaço criado. Muito bem trabalhado e notícias expostas com clareza exatidão. Moro na Cidade de Aquidauana e gostaria de enviar artigos. Maria de Lourdes Medeiros Bruno

  • cleidiane nogueira soares

    Procuro por Margarida Batista Barbosa e seu filho Vittorio Hugo Barbosa Câmara.moravam em Coração de Jesus MG nos anos 90 .fomos muito amigos e minha família toda procura por notícias suas.sabemos que voltaram para Aparecida do Taboado MS sua cidade natal

  • Simone Cristina Custódio Garcia

    Procuro meu pai Demerval Abolis, Por favor, me ajudem.Meu telefone (19) 32672152 a cobrar, Campinas SP.

+ Mensagens