Quarta-Feira 23/10/2019 20:01

Vendas do comércio caem 0,1% em maio, 2º recuo mensal seguido

Brasil - Empreendedorismo - Comércio Nacional

No ano, varejo brasileiro acumula alta de 0,7%. Em 12 meses, avanço passou de 1,4% em abril para 1,3% em maio, reforçando o cenário de economia estagnada.

Supermercado no Rio de Janeiro; vendas do comércio caem 0,1% em maio, 2º recuo mensal seguido — Foto: Pilar Olivares/Reuters

O volume de vendas do comércio varejista caíram 0,1% em maio, na comparação com o mês anterior, segundo dados divulgados nesta quinta-feira (11) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Já na comparação com maio do ano passado, houve alta de 1%.

Com o resultado, o varejo brasileiro acumula ganho de 0,7% nos 5 primeiros meses do ano.

Em 12 meses, avanço passou de 1,4% em abril para 1,3% em maio, reforçando o cenário de economia estagnada. "Ficou praticamente estável pelo terceiro mês seguido", destacou o IBGE.

O comércio acompanhou o ritmo fraco da indústria, que registrou queda de 0,2% na produção em maio, como divulgado no dia 2 pelo IBGE.

Perda de fôlego do varejo aumenta estoque da indústria e dificulta retomada da economia

O IBGE revisou o resultado de abril e apontou que a queda no volume de vendas foi de -0,4%, menos intensa que a divulgada de anteriormente, que era de -0,6%.

Segundo a gerente da pesquisa, Isabella Nunes, o ano de 2019 é como se não tivesse começado para o varejo, devido ao alto nível de incerteza dos empresários quanto aos investimentos futuros cautela do consumidor diante de um cenário de elevado desemprego.

“Estes resultados estão sob a influência da perda de fôlego da economia, que mantém um grau de incerteza muito elevado ainda, além de um mercado de trabalho que vem evoluindo, mas de forma lenta e gradual e com entrada forte de trabalhadores informais. Essa informalidade reflete em renda média baixa, estável, que não tem capacidade de pressionar a massa de rendimento, que é o que impulsiona o consumo”, explicou a pesquisadora do IBGE.

Ela destacou que, na comparação com dezembro de 2018, o varejo registrou leve alta de apenas 0,1% no patamar de vendas. Já na comparação com o nível recorde de vendas do varejo, alcançado em outubro de 2014, o patamar de maio ficou 7% abaixo.

“O indicador acumulado em 12 meses começou a se recuperar em outubro de 2016, quando estava em -6,8%, e chegou a 3,7% em maio de 2018. Desde então, ele vem perdendo fôlego, embora ainda se mantenha no campo positivo”, enfatizou Isabella Nunes.

O que puxou a queda

Das 8 atividades pesquisadas, 6 registraram alta na passagem de abril para maio. Os segmentos que pressionaram o resultado do mês foram outros artigos de uso pessoal e doméstico (-1,4%), que abrange as vendas pela internet, e combustíveis e lubrificantes (-0,8%).

Por outro lado, o setor de hipermercados e supermercados, que tem o maior peso na pesquisa, em torno de 50% no índice, cresceu 1,4%, após retração de 3,5% entre fevereiro e abril.

Já o indicador do comércio varejista ampliado, que inclui as as vendas de veículos, motos, partes e peças e de Material de construção, teve alta 0,2% em relação a abril, e avanço de 6,4% frente a maio do ano passado.

Veja o desempenho de cada segmento em maio:

Combustíveis e lubrificantes: -0,8%
Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo: 1,4%
Tecidos, vestuário e calçados: 1,7%
Móveis e eletrodomésticos: 0,6%
Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos e de perfumaria: 0,9%
Livros, jornais, revistas e papelaria: 0,4%
Equipamentos e material para escritório, informática e comunicação: 2,2%
Outros artigos de uso pessoal e doméstico: -1,4%
Veículos, motos, partes e peças: -2,1%
Material de construção: -1,8%

Regionalmente, 16 das 27 unidades da federação registraram alta no volume de vendas do comércio varejista, com destaque para Amapá (8,1%). Entre os estados que apresentaram maiores quedas estão Minas Gerais (-1,5%), Roraima e Rio de Janeiro (ambos com -1,4%).

Economia fraca e perspectivas

Os indicadores de maio já divulgados continuaram a mostrar um cenário de economia fraca, após uma queda de 0,2% do Produto Interno Bruto (PIB) no 1º trimestre, em meio a um cenário de baixa confiança de empresários e consumidores, elevada ociosidade e uma taxa de desemprego que ainda atinge 13 milhões de brasileiros.

Os economistas das instituições financeiras baixaram na última semana a estimativa de alta do PIB deste ano para 0,82%, segundo a pesquisa Focus do BC. Foi a 19ª queda consecutiva do indicador.

Com a desaceleração da inflação em junho (que recuou para 3,37% em 12 meses) e a economia estagnada têm crescido as apostas de um corte na taxa básica de juros já na próxima reunião do Copom, que acontece no final de julho. Os analistas do mercado financeiro passaram a estimar uma Selic encerrando o ano em 5,50%.

G1

Vendas, Comércio, Economia, Inflação, Empreendedorismo

Compartilhar faz bem!

Eventos

  • 1º Encontro dos Amigos da Empaer

    1º Encontro dos Amigos da Empaer

    Cidade:Dourados
    Data:29/07/2017
    Local:Restaurante / Espaço Guarujá

  • Caravana da Saúde em Dourados II

    Caravana da Saúde em Dourados II

    Cidade:Dourados
    Data:16/04/2016
    Local:Complexo Esportivo Jorge Antonio Salomão

Veja Mais Eventos

Balcão de Oportunidades / Empregos(Utilidade Pública)

Não é cadastrado ainda? Clique aqui

Veja todas as ofertas de vagas

Cotações

Indisponível no momento

Universitários

Serviço Gratuito Classificados - Anúnicios para Universitários

Tempo / Clima

Newsletter
Receba nossa Newsletter

Classificados

Gostaria de anunciar conosco? Clique aqui e cadastre-se gratuitamente.

  • Anúncios

Direitos do Cidadão

Escritório Baraúna-Mangeon Faça sua pergunta
  • Tem uma senhora dai de Campo Grande que é uma estelionatá...Tem uma senhora dai de Campo Grande que é uma estelionatária aqui em Cuiabá, levou muita grana nossa, e uma eco esporte. Ela se chama LEUNIR..., como faço pra denunciar ela aí nos jornais?Resp.
  • Boa tarde, minha sogra teve cancer nos seios e retirou um...Boa tarde, minha sogra teve cancer nos seios e retirou um eo outro parcial ja faz um bom tempo que nao trabalha e estava recebendo auxilio doença mas foi cancelada e ja passou por duas pericias e nao consegui mais , sera que tem como ela aposentar?Resp.
  • quanto porcento e o desconto para produtor rural hoje out...quanto porcento e o desconto para produtor rural hoje outbro de 2013Resp.
  • meu irmao cumpriu dois ano e meio de pena foi asolvido 7 ...meu irmao cumpriu dois ano e meio de pena foi asolvido 7 a zero caso ele tenha alguma condenacao esse 2 anos e meio pode ser descontadoResp.
  • gostaria de saber se ae em muno novo vai ter curso pilota...gostaria de saber se ae em muno novo vai ter curso pilotar maqunas agricolas?? se tiver como fasso pra me escreverResp.
+ Perguntas

Espaço do Leitor

Envie sua mensagem:
Sugestões, críticas, opinião.
  • iraci cesario da rocha rocha

    Procuro minha irmã Creusa Maria Cesario ela era de Dracena SP , minha mãe esta idosa 79 anos precisa ver ela se alguem souber nos avisa ..contato 018 996944659 falar com Iraci ..minha irmã foi vista nessa região

  • iraci cesario da rocha rocha

    Boa noite , estou a procura da minha irmã Creusa Maria Cesario desapareceu ha 30 anos , preciso encontrar porque minha mãe esta com 79 anos e quer ver , ela foi vista ai por essa região , quem souber nos avise moramos aqui em Dracena SP

  • maria de lourdes medeiros bruno

    Parabéns, pelo espaço criado. Muito bem trabalhado e notícias expostas com clareza exatidão. Moro na Cidade de Aquidauana e gostaria de enviar artigos. Maria de Lourdes Medeiros Bruno

  • cleidiane nogueira soares

    Procuro por Margarida Batista Barbosa e seu filho Vittorio Hugo Barbosa Câmara.moravam em Coração de Jesus MG nos anos 90 .fomos muito amigos e minha família toda procura por notícias suas.sabemos que voltaram para Aparecida do Taboado MS sua cidade natal

  • Simone Cristina Custódio Garcia

    Procuro meu pai Demerval Abolis, Por favor, me ajudem.Meu telefone (19) 32672152 a cobrar, Campinas SP.

+ Mensagens